quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

EUA estabelece Missão paralela à MINUSTAH no Haiti

Em consulta ao site da MINUSTAH podemos encontrar um documento sob o título "Statement of Principles on the field coordination between the UN in Haiti and the US Government in the haitian earthquake response effort".
Este documento foi assinado no dia 22 de janeiro de 2010 em Porto Príncipe pelo Representante Especial do Secretário Geral -SRSG- em exercício, Edmond Mullet, e pelo Embaixador americano no Haiti, senhor Kenneth Merten.
Este acordo estabeleceu regras iniciais sobre as responsabilidades de cada segmento e a coordenação dos trabalhos a serem desenvolvidos pelos Estados Unidos e pela ONU em resposta ao terremoto ocorrido no dia 12 de janeiro.
O documento, o qual é dividido em 13 itens, deixa claro que o governo americano criou uma missão paralela à MINUSTAH para atuar por tempo indeterminado em solo haitiano. E fez isso em resposta ao "pedido" do governo local, pois o texto no item 5 diz que :"O governo do haiti reconhece como essencial os esforços do governo e do povo americano em apoio à imediata recuperação, estabilização e reconstrução à longo prazo do Haiti.....". Como parte deste apoio dos EUA, o documento deixa claro que o governo americano enviará ao Haiti (como de fato já enviou) uma Força Tarefa Conjunta denominada Joint Task Force - JTF. Nós sabemos que este efetivo, hoje, é maior que o efetivo da própria MINUSTAH.
Outro ponto importante do documento é o que define que os militares americanos trabalharão sob uma cadeia de comando autônoma subordinada apenas ao governo americano. Bem como assumem o controle e segurança do espaço aéreo, das instalações portuárias e de todas as rodovias, ficando com a responsabilidade pela segurança e o efetivo funcionamento da infraestrutura de transporte no país para facilitar os trabalhos de ajuda humanitária.
Preocupados com os problemas que poderão advir do trabalho sobre o mesmo território de duas forças estrangeiras com papéis e responsabilidades diferentes, outro item do documento determina que o SRSG e o Chefe da Missão americana deverão regulamentar mecanismos de coordenação entre os respectivos Quartéis Generais, bem como estabelecer acordos para regular o contato entre as missões, incluindo reuniões conjuntas dos funcionários de alto escalão da MINUSTAH e JTF, sempre sob a presidência do SRSG ou seu representante.
Por fim, as autoridades signatárias declaram que a ONU e o Governo dos Estados Unidos reconhecem a necessidade de acordos adicionais a fim de definir especificamente o papel e responsabilidades da MINUSTAH e JTF.
A análise mais detalhada do documento, disponível à todos em inglês na página oficial da MINUSTAH, nos permite concluir que o Governo de Barak Obama pretende permanecer um longo período nas terras de Toussaint Louverture.
Espero que com o passar do tempo as Nações Unidas não percam o controle da situação e a MINUSTAH não seja "abafada" pela JTF, fazendo com que, entre outras coisas, o próprio Brasil deixe de exercer papel de destaque no cenário das Missões de Paz.

2 comentários:

Valdemir disse...

Queira Deus que eu estja enganado.
Ainda estou achando que quando a destruição for minorada(reconstruida), o sangue esfriar a dor for esquecida, os haitianos ainda vão dizer que o Brasil "entregou" o pais aos EUA.
Não acusaram os EUA de terem sequestrado o presidente, quando tudo isso começou?
Agora estão tão amigos....

Maj PMDF Valdemir

Cap Marco disse...

Pois é major, este ponto tinha me passado despercebido, será que a mágoa quanto ao Aristide já passou? Só o tempo dirá.