sexta-feira, 16 de julho de 2010

Missões de Paz: Aumento de vagas para policiais brasileiros

Um dos temas mais debatidos nos fóruns a respeito da participação de policiais brasileiros em missões de paz da ONU é o que se refere ao aumento do efetivo. Isto porque todos os Oficiais veteranos de missão conviveram com a situação de ter que “tentar’ explicar (... sim, eu digo tentar, pois para mim não tem explicação) em algum momento de sua estada no exterior o motivo de o Brasil ter um efetivo pífio de policiais a serviço das Nações Unidas. Até o mês passado o efetivo policial brasileiro era constituído de 17 Oficiais, sendo 04 no Haiti, 02 no Sudão, 06 no Timor Leste e 05 na Guiné Bissau. Para que os leitores possam ter uma idéia, analisando o relatório da ONU de 30 de junho de 2010, referente a efetivos policiais, e pegando como exemplo apenas o caso da missão no Haiti, encontramos os seguintes dados: Brasil – 04 Policiais; Chile - 15 ; Argentina – 16; Colômbia – 23; EUA – 45 ; Canadá – 131; França 66, entre outros países. Ou seja, o Brasil está, em relação à quantidade de efetivo policial na MINUSTAH, no nível de países como: Burundi – 04 Policiais; e Togo – 04 Policiais.
No entanto, após a conjugação de esforços dos policias em missão e de veteranos aqui no Brasil, as notícias que nos chegaram nas últimas semanas apontam para uma mudança deste cenário.
No dia 29 de junho de 2010 uma comitiva da IGPM esteve em visita técnica na Polícia Militar do Estado do Pará. Naquela ocasião, oficiais veteranos da MINUSTAH e da Missão em Moçambique estiveram presentes em uma apresentação onde o Coronel Bezerra, da IGPM, confirmou o aumento de efetivo policial brasileiro no Haiti para 12 Oficiais e no Timor Leste para 16 Oficiais. Ou seja, um aumento de 8 vagas na MINUSTAH e de 10 vagas na UNMIT. O referido Oficial do Exército referenciou, ainda, que esse aumento será operacionalizado de maneira imediata e que para o preenchimento das vagas na MINUSTAH será priorizado o aproveitamento dos Oficiais aprovados no idioma francês e dos Oficiais aprovados que sejam veteranos da missão no Haiti, nesta ordem.
Esta informação começou a se confirmar logo na semana seguinte a esta visita técnica quando o COTER iniciou os contatos com os Oficiais aprovados na 1ª Avaliação realizada em maio simultaneamente em Brasília e Porto Alegre. Dos sete Oficiais aprovados em Porto Alegre (01 Cap e 02 Ten da PMSC; 03 Ten da PMESP e 01 Cap da BMRS) seis já receberam a designação do COTER para embarcarem para a missão no Timor Leste. O único que ainda não foi convocado é o Capitão da PMSC , o qual foi aprovado em francês e espera o chamado para compor a missão no Haiti. A estes se juntam outros 05 aprovados em Brasília os quais também já receberam a convocação para o Timor e agora aguardam orientações para a confecção da documentação necessária para o embarque.
O fato negativo disso tudo é que, por incrível que pareça, hoje a situação se inverteu, pois temos vagas e não temos oficiais aprovados para preenchê-las. Isso de deve ao fato de que algumas corporações estaduais não concordem em ceder muitos Oficiais de uma só vez para as missões da ONU, como é o caso da PMDF, bem como existam, ainda, muitos Oficiais reprovados nas provas de seleção, mais especificamente nas provas de idioma.
O COTER prepara para o final de agosto a 2 ª avaliação nas cidades de Recife e Manaus. Esta é uma oportunidade para que os reprovados na 1ª avaliação possam refazer os testes, assim como novos candidatos se habilitem para as vagas remanescentes na MINUSTAH e as futuras rotações de efetivo.
Uma dica aos candidatos: uma preparação específica para o concurso, com ênfase no vocabulário voltado para as atividades militares e policiais utilizando como fonte de consulta a bibliografia indicada é a porta de entrada para a realização do sonho de ser um Boina Azul.
Bons estudos e boa sorte a todos!

2 comentários:

Lauro C. Pedot disse...

Caro Cmt, Cap Marco e demais leitores, parabéns a todos que contribuiram e contribuem nas missões de paz. Esta reflexão exposta no texto é muito bem vinda. É necessário aumentar a participação de policiais brasileiros nas missões. Espero que seja aberta também a possibilidade da participação de sargentos das policias militares do Brasil.

Cap Augusto disse...

muito bom o esclarecimento oferecido pelo blog do colega Cap Marcos. vou repassar para alguns colegas da minha PMRN.